Caminho de Santiago: 7ª Etapa – Los Arcos a Logroño9 min read

Esta etapa entre Los Arcos e Logroño é um pouco mais longa do que as outras que você estava acostumado. Com pouco mais de 27 quilômetros, vou dividi-la em três partes, tendo como base as principais cidades.

Assim podemos dizer que a primeira parte, de Los Arcos a Sansol/Torres del Rio, é uma etapa de nível fácil, com relevo pouco acidentado. Já a segunda parte, entre Torres de Rio e Viana, eu considero um pouco cansativa, pois há muitas subidas e descidas, algumas bastante íngremes. Já a última parte, de Viana a Logroño também é fácil, ao menos até pouco antes de chegar ao destino. No final deste trecho vai encontrar algumas subidas, mas… ânimo! Já está no final! Vou descrever abaixo cada um destes trechos.

 

Los Arcos a Torres del Rio

Foto com as sombras de dois peregrinos, feita na saída de Los Arcos

A tradicional foto das sombras, feita na saída de Los Arcos.

A saída de Los Arcos é bastante tranquila. No começo tem uma subida com cerca de 600 metros de extensão que eu considero relativamente leve. Depois o trecho é plano, tendo os tradicionais sobe e desce, claro, mas nada que mereça destaque. Chegando perto de Sansol vai ter uma ou outra subida maior, mas, como sempre, um grande aclive para chegar em Sansol. Nos últimos quilômetros você caminhará na rodovia, ou seja, asfalto.

Anúncio

Sansol é um pueblo que tem alguma estrutura, como farmácia, bares e albergue. Mesmo assim, os peregrinos que resolvem passar de Los Arcos para fazer um trecho mais curto no outro dia vão até Torres del Rio, que é grudado em Sansol. Apenas 800 metros separam os dois pueblos. Estes poucos metros, porém, não são planos. Há uma grande descida e em seguida uma subida forte na entrada de Torres del Rio. Bem no começo da subida tem uma fonte do lado esquerdo. Aproveite para pegar água bem fresca.

Em Torres del Rio vai encontrar mais bares e albergues que em Sansol. Costumo parar aí para tomar um segundo café da manhã e pegar fôlego para o que vem pela frente. Na saída deste pueblo você vai passar pela Igreja do Santo Sepulcro, de origem templária. Esta igreja, construída entre 1160 e 1170, tem formato octogonal, como a Igreja de Santa Maria de Eunate. Para visitá-la terá que pagar uma pequena taxa, algo simbólico, como 1 euro. Eu ia dizer que não custa parar e fazer uma visita rápida, mas custa sim, um euro! Mas como não conhecê-la por dentro trará, arrependimento mais tarde, talvez esta pequena economia não seja uma boa. 🙂

A ladeira na entrada de Torres del Rio

Ladeira na entrada de Torres del Rio

Torres del Rio a Viana

Este trecho tem cerca de 10,5 quilômetros e vai exigir um pouco do seu físico. A saída de Torres del Rio já começa difícil. Vai ter uma ladeira bem forte por 500 metros aproximadamente, até o cemitério. Aliás, já vai ter lareiras para atravessar o pueblo.

Depois mais 500 metros um pouco menos íngreme, até a primeira descida. Mas logo em seguida começa a subir novamente. De Torres del  Rio (altitude 460 metros) até o ponto mais alto da etapa (577 metros) são aproximadamente 3,6 quilômetros, com muitas subidas e descidas. No km 10,1 vai encontrar a Ermita de la Virgen del Poyo, onde terá uma mesa com um banco de pedra ao lado. Pode aproveitar para descansar neste lugar que fica bem próximo ao segundo ponto mais alto da etapa (568 metros). Saindo deste lugar vai ter uma grande descida para então subir novamente. Mas atenção! Caminhará um pequeno trecho junto à rodovia, muito cuidado!

Do ponto mais alto (km 11,1 aproximadamente) começa um declive muito inclinado. Tem placas no local indicando a inclinação (10%) e alertando para ter cuidado. Nesta descida tem alguns “atalhos”, mas não caia nesta, pois pode machucar-se muito (o trocadilho foi sem querer!). Apesar da altitude média ir sempre baixando até Viana, o relevo é bastante acidentado. Ou seja, vai precisar enfrentar diversos morros.

Entre Torres del Rio e Viana, com a Ermita de la Virgen del Poyo ao fundo, na parte superior direita da foto.

Entre Torres del Rio e Viana, com a Ermita de la Virgen del Poyo ao fundo, na parte superior direita da foto.

Finalmente, chegando em Viana!

No km 14,4 vai encontrar o asfalto novamente, e vai acompanha-lo de perto. Isso quando não caminhar sobre ele. Este lugar tem uma bela vista, pois não há ponto mais alto até Viana. Pouco mais para a frente poderá ver a cidade se aproximando. O pior deste trecho ficou para trás. Chegando na entrada de Viana adivinhe o que vai encontrar…  sim! Subida! Mas na linda cidade murada você poderá descansar um pouco.

Anúncio

Já pernoitei em Viana algumas vezes. A primeira, em 2009, fiquei no albergue municipal, chamado de Alberguería Andrés Muñoz. Bom albergue, bem localizado e conta com armários com chave. Acho que foi o único albergue que encontrei beliches de 3 andares. Fiquei também no albergue situado logo na entrada (albergue Izar). O único porém deste albergue privado é que fica no começo da ladeira da entrada. Mas nada que atrapalhe, são poucos metros até a parte alta da cidade.

Em Viana não deixe de visitar Igreja de Santa Maria. Torça para ela estar aberta quando passar por ali. A praça em frente à igreja é um ótimo espaço para descansar. Outro lugar interessante é a Igreja de São Pedro, ou melhor, as ruínas da Igreja de São Pedro. Edificada no século XIII, foi usada como quartel na Primeira Guerra Carlista, devido à sua posição estratégica. No século XVIII resolveram realizar obras de ampliação, o que acabou forçando muito as principais estruturas, ocasionando um grande desabamento em 1844. Atrás das ruínas tem um pequeno parque com uma vista linda.

Viana ao fundo, vista do Caminho de Santiago, poucos quilômetros antes de chegar.

A poucos quilômetros de Viana já pode-se ver a cidade.

Viana a Logroño

O lado bom de Viana ser no alto é que a saída é uma descida. Nada grandioso, só um pouco de descida e então um grande trecho praticamente plano. Se você começar sua etapa aqui não vai encontrar dificuldade alguma, pois não estará cansado do sobe e desce do trecho anterior, entre Torres del Rio e Viana, e o sol não estará forte ainda. Serão quase 3 quilômetros onde o que predomina é a descida, tão leve que talvez você não perceba isto. É bom alertar que neste trecho tem pouca sombra, então, dependendo do horário, o grande vilão será o Sol.

Depois de cruzar a rodovia (por baixo dela) você vai andar cerca de 1200 metros, até encontrar a Ermita de la Virgen de Cuevas (km 21.1). Daqui para a frente só vai ter lugar para fazer uma pausa muito perto de Logroño. Se quiser descansar, há uma área arborizada atrás da Ermita, onde tem uma fonte. Depois disso, você vai caminhar mais um pouco até passar por dois pequenos morros, mas como são muito fáceis nem vale a pena falar muito deles. Do km 22,5 ao 23,5 caminhará em uma área muito arborizada, que pode melhorar um pouco as condições deste trecho, pois o sol já deve estar bem forte. No km 22.6 vai ter uma passarela por cima da carretera. Quando fui em 2009 ela ainda não existia, o que tornava esta travessia muito perigosa. De cima da passarela você vai ter uma visão muito bonita da estrada, com Logroño ao fundo de um lado e Viana do outro. Caminhará até o fim dá área arborizada sempre com piso de terra batida (ou barro, se choveu).

Vista de Viana a partir da passarela sobre a rodovia, entre Viana e Logroño.

Viana vista da passarela sobre a rodovia entre Viana e Logroño.

Cruzando a fronteira entre a Navarra e La Rioja

Ao chegar no km 23.7 você passará por uma pequena ponte sobre um riacho. Estará cruzando a fronteira entre a Navarra e La Rioja, a famosa região dos vinhos. Aproveite bastante para tomar vinho bom e barato, se comparar com os padrões de preço do Brasil. Não que os vinhos das outras regiões da Espanha não sejam bons, apenas fiz o comentário porque La Rioja é uma região muito conhecida pelos vinhos que produz.

Anúncio

Atravessando a fronteira vai perceber que o piso muda. A partir deste ponto caminhará sobre o asfalto, o que não é muito confortável para os pés. Outro ponto negativo do asfalto é que você sentirá mais calor nos dias ensolarados. Já na chuva, não terá lama, o que ajuda muito. Além do piso diferente, vai começar o aclive. Nos próximos 1,5 quilômetros vai subir de 384 metros de altitude para 437 metros. Mas depois, só descida! Mesmo assim, este último pedaço com subida é bastante desgastante.

Parada obrigatória: Felisa – Figos, Água e Amor

Chegando ao km 26, já no declive, encontrará uma placa: “sellado de peregrinos Felisa”. Pare neste ponto para carimbar sua credencial e quem sabe, tomar um café. Como bom peregrino contribua, é claro, com um pequeno donativo. Explicando o motivo da parada: Felisa era uma senhora que foi um dia encarregada pelo padre de carimbar as credenciais dos peregrinos. Fez este trabalho com muito afinco, e ia além disso. Oferecia aos caminhantes, já muito cansados, figos, água fresca e um lugar para sentar e descansar um pouco. Pedia apenas que deixassem uma mensagem em um livro. Felisa morreu em 2002 perto de completar 92 anos. Sua filha Mari continuou então o trabalho da mãe, cuidando dos peregrinos que ali passam. No carimbo vem escrito “Felisa, Higos – Agua y Amor” (Felisa, figos – água e amor), que é o que ela oferecia aos peregrinos. Farei um artigo sobre ela mais tarde. Enquanto isso, pode ler sua linda história (em Espanhol) no blog do Sr. Alberto Solana.

Chegando na casa da Felisa - figos, água e amor, em Logroño.

Chegando na casa da Felisa – figos, água e amor, com Logroño ao fundo.

 

Chegando em Logroño

Da casa da Felisa faltam apenas 1,5 quilômetros. A ansiedade e o cansaço fazem parecer mais que isso, mas em aproximadamente 20 minutos estará chegando ao albergue. No km 27,1 passara pela ponte sobre o Rio Ebro, com extensão de uns 200 metros. Saindo da ponte já estará bem perto do albergue municipal. Continuando o trajeto por mais 300 metros depois do albergue municipal encontrará o albergue paroquial. Ouvi falar muito bem deste albergue e vi boas avaliações no Guia Consumer, da Fundação Eroski. Só preste atenção, pois não há uma indicação clara de que ali é um albergue. Para ter certeza, é o número 8 da rua.

Ponte de pedra sobre o Rio Ebro, na chegada de Logroño.

Na chegada de Logroño o peregrino vai cruzar esta a Ponte de Pedra, sobre o rio Ebro.

Logroño é uma cidade bem grande. Se precisar de algo aproveite que este é o lugar onde encontrará todo tipo de comércio e serviços. Tendo algum tempo livre, conheça o centro histórico da cidade. E descanse. Muito. A próxima etapa também é longa e muito cansativa!

 

Buen Camino

Print Friendly, PDF & Email
Gostou do artigo? Compartilhe!
Anúncio

9 Comments

  1. Ana Christina Rangel 28 de novembro de 2016 Reply
    • Claudio Bittencourt Pacheco 28 de novembro de 2016 Reply
    • Maria Shirley 29 de janeiro de 2017 Reply
      • Claudio Bittencourt Pacheco 30 de janeiro de 2017 Reply
    • Ana paula torres 20 de fevereiro de 2017 Reply
  2. Sinval Correia 28 de janeiro de 2017 Reply
    • Claudio Bittencourt Pacheco 30 de janeiro de 2017 Reply
  3. kadmo manoel campos dos santos 13 de setembro de 2018 Reply
    • Claudio Bittencourt Pacheco 15 de setembro de 2018 Reply

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Gostou deste artigo?
Mantenha-se atualizado!

Inscreva-se em nossa lista para receber novos artigos e novidades exclusivas para você!

Obrigado por inscrever-se!

Xiii... algo deu errado!